Barbosa, testado e desgastado

Editorial O Estado de S. Paulo

A meta de superávit primário fixada para 2016 é insuficiente para a contenção da dívida pública

Com uma longa folha corrida, repleta de palpites infelizes sobre política econômica, o economista Nelson Barbosa assume o Ministério da Fazenda sem carência para testar sua capacidade e seus propósitos.

O período de graça concedido, com frequência, a novos ministros é incompatível com seus antecedentes. De alguma forma ele parece reconhecer essa desvantagem. Desde sua confirmação para o novo posto, na sexta-feira, ele se empenha em refazer a própria imagem, na busca de uma confiança há muito perdida. Não deu certo, nem poderia dar, exceto se houvesse um grave surto de amnésia.

A partir de setembro, duas agências de avaliação de risco, a Standard & Poor’s (S&P) e a Fitch, rebaixaram o crédito do País ao grau especulativo. As decisões foram anunciadas, nas duas ocasiões, depois de trapalhadas orçamentárias cometidas pela presidente com apoio do ministro do Planejamento e contra a opinião do ministro da Fazenda.

As mudanças frequentes na meta de superávit primário minaram a credibilidade da política fiscal, segundo nota da Fitch. A nova alteração havia ocorrido no dia anterior, quando o Executivo propôs substituir a meta de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB) por algo na faixa de zero a 0,5% – na prática, superávit zero.

No começo de setembro a S&P anunciou o rebaixamento logo depois de apresentado um projeto de Orçamento com déficit primário. A repetição da sequência – besteira fiscal e corte da nota – foi obviamente mais que uma casualidade. Mas o dado mais notável foi a insistência no erro, uma demonstração, pela dupla Rousseff-Barbosa, de impermeabilidade às lições dos fatos.

apode2412painel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

dezembro 2021
DSTQQSS
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031 
Categorias