“Se os institutos sobrevivem de vender pesquisa por que estão dando de graça?” Pergunta dono da Consult

paulo de tarso “Se os institutos sobrevivem de vender pesquisa por que estão dando de graça?” Pergunta dono da Consult

Guerra de pesquisas sempre existiu, o uso delas como instrumento de propaganda eleitoral também.

Mas o fato novo desta eleição vem sendo o número crescente de institutos registrando pesquisas como sendo o próprio cliente.

A prática não é exclusiva do Rio Grande do Norte e vem sendo criticada até mesmo por que é do ramo.

Paulo de Tarso, proprietário da Consult, em entrevista a 98 FM enfrentou o questionamento com preocupação:

Os institutos estão fazendo o que querem…

Se os Institutos vivem, sobrevivem de vender, de trabalhar com pesquisa por que estão fazendo de graça?  Por que um dono de instituto que nunca foi a um município, nem conhece, e vai lá querendo contratar por conta própria?

É um absurdo! E outra coisa, sujam o mercado, faz com que a população não acredite.

Além do mais sujam o mercado, faz com que a população não acredite mais em pesquisa, no fim dessa eleição nós vamos ver os desencontros dessas pesquisas que estão sendo divulgadas.

Meu desabafo é que esses responsáveis – que não quero nem dizer os nomes que eles merecem – eles somem. Existe um percentual a ser influenciado.

TL

Uma resposta

  1. Em Mossoró O povo está chamando de AGORA SEJA um instituto de pesquisa duvidoso que está atuando na cidade .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
Categorias

Agora torou dentro!

De um leitor do blogue do Xerife indignado: Espere aí! . Quer dizer que a prefeitura desembolsou R$ 500 mil para uma empresa prestar o

Leia Mais

Se o Papa Francisco pode…

O papa Francisco recebeu nesta quarta-feira durante a Audiência Geral a felicitação em diferentes idiomas por seu 80° aniversário, que será celebrado em 17 de

Leia Mais