Um terço do Senado responde a acusação criminal

senado

Uma particularidade dos sistemas político e jurídico brasileiro permite que parlamentar réu, investigado – ou até mesmo condenado à prisão pela mais alta corte do país – legisle sobre os grandes temas nacionais e atue, inclusive, como juiz. É o que se verá na próxima semana. Um em cada três senadores responde a inquérito (investigação preliminar) ou ação penal (processo que pode resultar em condenação) no Supremo Tribunal Federal (STF).

Dos 81 parlamentares aptos a votar o impeachment da presidente Dilma Rousseff, na quarta-feira que vem, 24 são acusados ou suspeitos de práticas criminosas como corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, peculato, crimes eleitorais, de responsabilidade e contra a Lei de Licitações.

Entre eles, 13 estão na mira da Operação Lava Jato – do atual líder do governo no Senado, Humberto Costa (PE), a Fernando Collor (PTC-AL), o primeiro presidente brasileiro afastado do mandato em processo de impeachment, em 1992. Os dados são de levantamento do Congresso em Foco.

3 respostas

  1. Isso é degradação, que esses malignos do comunismo nos colocaram enganando e assaltando a pátria.

  2. Xerife.
    Quanta ironia do destino. Collor será, acredito eu, o primeiro presidente no mundo a sofrer impecheament e também votar para espichar um presidente. Seria cômico se não fosse trágico!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Recentes

Categorias