Vilton Cunha aceita missão e diz que continuará sonho de Zé Lins em Currais Novos

pancadao8 Vilton Cunha aceita missão e diz que continuará sonho de Zé Lins em Currais NovosA coligação “A Favor do Povo” mostrou na noite desta sexta-feira (14) que continua ainda mais forte. Uma multidão contabilizada em cerca de 7 mil pessoas tomou conta das ruas do Centro e lotou o Largo do Tungstênio Hotel para dizer que continua com Zé Lins e agora vota em Vilton Cunha. Vieram também prestigiar o Pancadão 22, o deputado Ezequiel Ferreira, a ex-governadora Wilma de Faria e o deputado federal João Maia.

“Eles não tiraram o nosso sonho nem a nossa vontade. Pelo contrário, agora que o povo vem vestido de vermelho para dizer que continua com o 22 e agora vota em Vilton Cunha. Eu poderia ter colocado um parente ou alguém da minha casa para me substituir.

 Mas, pensei em Currais Novos, sei das mudanças que nossa cidade precisa. Vilton é um homem sério, trabalhador e que só faz o bem a Currais Novos, onde gera empregos as famílias de bem”, frisou Zé Lins que foi o mais aplaudido da noite.

 “Aceitei essa missão porque não posso deixar o povo da minha terra continuar com a saúde que vem tendo. A educação foi abandonada, Currais Novos não tem mais segurança. Precisamos colocar o desenvolvimento econômico de volta. Zé Lins é nosso líder e nosso povo veio às ruas confirmar que a vitória continua aqui. Vamos fazer uma administração voltada para o povo”, afirmou Vilton Cunha, que foi ovacionado pela multidão. 

  “Currais Novos veio nesta noite confirmar que a mudança irá acontecer. Não adianta tentar impedir candidaturas, pois Zé Lins continua ainda mais forte e agora Vilton Cunha vem consagrar o momento mais desejado. O povo quer mudar”, disse Ezequiel em discurso no Largo do Tungstênio Hotel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

março 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Categorias

Reajustes nem deveriam existir

Michel Temer agora enfrenta o constrangimento de recuar em relação aos servidores. Se fosse mais responsável, nem deveria ter concedido reajuste num ambiente de recessão

Leia Mais