Senado retoma discussão do impeachment; 63 senadores estão inscritos para falar

sessao_senado

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), retomou há pouco a sessão de votação do parecer pela admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A sessão foi interrompida por volta das 12h30, após a manifestação de cinco senadores, todos a favor da continuidade do processo e afastamento de Dilma, e foi retomada com uma hora de atraso.

Neste momento, seguindo a ordem de inscrição dos senadores, quem tem a palavra por 15 minutos é o líder do DEM na Casa, senador Ronaldo Caiado (GO). Sexto inscrito de uma lista de 68, ele também engrossa o coro em defesa do afastamento da petista.

O primeiro senador a defender o mandato da presidenta deve ser Telmário Mota (PDT-RR), número 13 na lista de inscrição. Antes dele, as manifestações serão de opositores ao governo. Caso Renan Calheiros decida não interromper a sessão, a expectativa é que a votação propriamente dita só ocorra por volta das 3h da madrugada desta quinta-feira (12). Um novo intervalo da sessão está previsto para as 18h, segundo cronograma estabelecido por Calheiros.

Ausências

Dos 80 senadores aptos a participar da sessão de hoje, três peemedebistas – Rose de Freitas (ES), Jader Barbalho (PA) e Eduardo Braga (PMDB-AM) – não registraram presença sob alegação de problemas de saúde. Com a cassação ontem (10) de Delcídio do Amaral (sem partido-MS), uma das cadeiras da Casa está vaga, já que o suplente dele, Pedro Chaves dos Santos (PSC-MS), só deve se apresentar para tomar posse amanhã (11).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

junho 2021
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Categorias

No calibre

Como está congestionado o meio de campo com todo mundo de olho no Senado, o Ex-Senador José Agripino Maia seria um nome “calibrado” para tentar

Leia Mais

Moro num campo de várzea

“A finalidade da convocação de Sergio Moro para depor no Congresso Nacional não tem sido muito bem compreendida”, disse Guilherme Fiuza, na Forbes. “Vamos explicar

Leia Mais