Relator da PEC do voto impresso acusa TSE de interferir na votação: “Assunto não era do Judiciário”

O relator da proposta do voto impresso auditável na comissão especial, Filipe Barros (PSL-PR), disse que a derrota da proposta no plenário da Câmara nesta terça-feira, 10, reflete uma “interferência indevida do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em um assunto que não é do Judiciário”.

“É importante destacar que nós tivemos a maioria do plenário, mas não atingimos os 308 votos necessários por se tratar de uma PEC”, disse o deputado cem entrevista a Oeste. Ele complementou: “É claro que nós respeitamos e acatamos o resultado da votação de hoje”.

O texto precisava de 308 votos para ser aprovado, mas só alcançou 229. Dos 513 deputados, 448 votaram, 218 foram contrários e houve 1 abstenção.

“O resultado reflete, justamente, essa interferência de um Poder em um assunto, em um tema que não é desse Poder. É como se nós, do Parlamento brasileiro, resolvêssemos interferir dentro dos debates internos do Supremo ou do TSE”, afirmou Filipe Barros.

Ele acredita que o tema voltará a ser debatido no Congresso. Uma proposta com o mesmo teor dessa rejeitada pode ser apresentada novamente em outra legislatura. “Nós ganhamos as ruas, e eu tenho a impressão de que não conseguimos a aprovação agora, mas é uma questão de tempo para que o Congresso aprove o voto impresso.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Recentes

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Categorias