Procuradoria Eleitoral apresentou parecer pela cassação de vereador de Jardim do Seridó

iron001_0A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio Grande do Norte (PRE/RN) apresentou parecer pela cassação do vereador de Jardim de Piranhas Iron Lucas de Oliveira Júnior, em razão da prática de captação ilícita de sufrágio, a chamada compra de votos. De acordo com ação movida pelo Ministério Público Eleitoral que atua junto à 23ª Zona Eleitoral, às vésperas do pleito de 2012 o então candidato a vereador distribuiu próteses dentárias a eleitores do município, com o objetivo de angariar votos em seu favor.

Iron Lucas de Oliveira Júnior foi condenado pela juíza da 23ª Zona, mas recorreu ao Tribunal Regional Eleitoral alegando, entre outros fatos, ilicitude e ausência de provas apresentadas pelo Ministério Público. Para a Procuradoria Regional Eleitoral tais alegações não procedem, pois as acusações feitas a Iron foram confirmadas pelo protético Naquib Oliveira Libânio. Em depoimento prestado à promotora eleitoral Liv Ferreira Augusto Severo Queiroz, o profissional admitiu que havia sido contratado pelo então candidato para produzir próteses dentárias em benefício de eleitores indicados por Iron, tudo em troca de votos.

“No pedido de busca e apreensão apresentado pelo Ministério Público Eleitoral verifica-se que nem o pedido, nem a decisão que o deferiu teve por base a delação supostamente anônima. Somente depois que a delação foi confirmada por um depoimento pessoal de um protagonista extremamente relevante nos fatos (o protético Naquib Oliveira Libânio) foi que a busca e apreensão foi pedida e deferida pelo judiciário”, argumenta a PRE/RN.

O procurador Regional Eleitoral, Paulo Sérgio Rocha, que assina o parecer, destaca que as provas existentes nos autos deixam evidente que Iron Lucas de Oliveira Júnior, por meio do protético Naquib Oliveira Libânio, forneceu próteses a pelo menos dez eleitores em troca de votos. “Os diálogos encontrados no computador do protético, transcritos quando da realização de perícia feita por setor técnico da Polícia Federal, deixam claros que os eleitores, quando chegavam ao consultório, tinham prévio conhecimento de que estavam ali para colocar prótese dentária que seria custeada pelo candidato. Vê-se que o fornecimento de prótese dentária tinha íntima, direta e necessária ligação com o voto deles e de seus familiares”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

maio 2021
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Categorias

Você tem medo de que?

Pouca gente sabe, mas é bom sentir medo. Saudável, até quando esse sentimento se transforma em fobia. Mas, e se o medo de ser atropelado fosse

Leia Mais

A tornozeleira de Dison Lisboa

Um Projeto de Lei apresentado pela deputada estadual Cristiane Dantas (PCdoB) prevê que os condenados que contam com o benefício do regime aberto, com uso

Leia Mais