Procurador Rinaldo Reis: “Governo do RN ainda não conseguiu explicar de onde tirou os 10,74%”

rinaldo reis JH
O Governo do Estado, finalmente, se pronunciou sobre a crise financeira que teria justificado o corte financeiro de 10,74% no orçamento dos demais poderes. Falou, falou, mas não explicou: como chegou a esse percentual de frustração de receita e se desde que a crise foi anunciada houve algum superávit financeiro. Pelo menos foi essa a análise feita pelo procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis. Segundo ele, mas uma vez, o Executivo perdeu a chance de se explicar.

“Li a entrevista concedida pelo secretário de Planejamento e Finanças, Obery Rodrigues, mas o Governo ainda não conseguiu explicar de onde tirou os 10,74%, que foi o percentual cortado dos poderes. E também não disse se houve nesse período (de julho a outubro, no pós-crise) uma arrecadação maior do que a prevista. Na verdade, não foi apresentado nenhum número nesse sentido”, analisou o procurador-geral de Justiça.

A análise de Rinaldo Reis não foi por acaso. Na semana passada, O Jornal de Hoje mostrou alguns dados com base no Portal da Transparência onde é possível ressaltar que o valor arrecadado de ICMS, em setembro, foi o segundo maior dos últimos quatro anos. Quase R$ 360 milhões. Mesmo assim, o Governo do Estado atrasou o pagamento da folha salarial dos servidores, anunciando uma reprogramação na quitação dos vencimentos.

Do Jornal de Hoje

Uma resposta

  1. Venho dizendo que as maiores arrecadoções , vem acontecendo no governo Rosalba: os atributos desde governo é mentira, incompetência, e vendendo um peixe que não passa pelos expectadores do RG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
Categorias

Desejo de mudança no RN

A situação tanto dos atuais deputados estaduais como dos deputados federais do Rio Grande do Norte, ao meu ver, é muito complicada. Existe um desejo

Leia Mais