Para evitar calote, governo deve autorizar empréstimo de R$ 2 bilhões

O setor elétrico se transformou em um buraco sem fundo. Desde que o governo decidiu intervir para conceder desconto médio de 20% na conta de luz em 2013, a fatura não para de crescer, seja para as empresas, seja para o Tesouro Nacional. Pelas contas dos especialistas, não bastassem os quase R$ 30 bilhões já enterrados no processo, quantia que não evitou o reajuste da energia para mais de 40 milhões de consumidores, há pelo menos R$ 56 bilhões represados por conta dos sucessivos empréstimos e aportes para socorrer as distribuidoras.

A situação é tão complicada que, um dia depois de a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiar, para o fim do mês, o pagamento de R$ 1,3 bilhão em dívidas pelas distribuidoras, o governo sinalizou que poderá autorizar novo empréstimo às empresas, de mais de R$ 2 bilhões, por meio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Essa empresa já havia assumido débitos de R$ 11,2 bilhões com um pool de bancos, para evitar que o Tesouro contabilizasse essa fatura e destruísse de vez as contas públicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
Categorias