Oito presídios do RN recebem aparelhos de scanner corporal

Oito unidades prisionais do Rio Grande do Norte estão mais seguras com a instalação, esta semana, de aparelhos de scanner corporal por raios X, também conhecidos como “Body Scan”, que permitem a detecção de objetos proibidos na entrada das visitas. Os equipamentos evitam abordagens invasivas e agilizam a revista dos visitantes. Com a nova ferramenta de tecnologia, a Secretaria da Administração Penitenciária (Seap) atinge 16 das 17 unidades prisionais do estado equipadas com o aparelho.

Eles foram instalados esta semana após serem doados pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e somam-se a outros em uso desde meados de 2019 através de convênio do governo estadual. As unidades contempladas agora são Complexo João Chaves, em Natal, Penitenciária Estadual de Parnamirim, Complexo Penal de Pau dos Ferros, Centro de Detenção Provisória de Apodi, Cadeia Pública de Caraúbas, Cadeia Pública de Nova Cruz, Cadeia Pública de Ceará-Mirim e Complexo Agrícola Doutor Mário Negócio, em Mossoró. Apenas a Unidade Psiquiátrica de Custódia e Tratamento, em Natal, não teve demanda para instalação do equipamento.

Os policiais penais estão passando por treinamento de manuseio do equipamento e, assim que as visitas no sistema prisional forem retomadas, uma vez que estão suspensas por causa da prevenção ao novo coronavírus, irão iniciar o processo de coleta e cadastramento da biometria dos visitantes.

Segundo o secretario da Administração Penitenciária, Pedro Florêncio Filho, com a utilização do scanner corporal os servidores e as visitas passam a ter um tratamento mais digno, evitando a revista intima vexatória e diminuindo as filas.

Na Cadeia Pública de Caraúbas, o diretor André Leandro explica que a equipe passou por dois dias de treinamento ministrado pelos técnicos que instalaram o “body Scan”. “A instrução foi ampla e visou atender o efetivo de plantão, administrativo e Grupo de Escolta Penal para que todos possam estar preparados para utilizar o scanner. No treinamento vimos todo o funcionamento do equipamento, detalhes técnicos e como identificar objetos ilícitos nos visitantes. A tecnologia é uma grande aliada na fiscalização e na segurança das unidades”, disse o policial penal. A capacitação no escaneamento corporal visa padronizar o trabalho dos policiais penais.

O “Body Scan” não oferece risco aos servidores e visitantes. O equipamento é capaz de localizar objetos sob as vestes e no interior do corpo. Dessa forma, se evita a revista intima, um procedimento que era necessário, mas que causava demora e constrangimento tanto para a visita, quanto para o policial penal.

Desde meados de 2019, a Seap opera os scanner corporais nas principais unidade prisionais do Estado. Na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, com cerca de 1.700 internos, há mais de um ano não há registro de apreensão de celulares, graças ao empenho dos policiais penais, o uso de dois “Body Scans” e a ausência de energia elétrica nas celas. Alcaçuz, no ano de 2019, recebeu 23 mil visitas de parentes dos internos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

maio 2021
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Categorias

Caldo de biloca

Mesmo sem mandato, o ex-senador José Agripino Maia (DEM) sozinho  vale mais do que os atuais senadores “caldo de biloca” juntos. Foi a força e o prestigio de

Leia Mais

Nada mais para Lula

A partir de amanhã (31) Lula terá que se dedicar exclusivamente a sua condição de presidiário. Só.

Leia Mais

Ceará-Mirim: Nem ele sabe

O prefeito de Ceará-Mirim, Marconi Barreto (PHS), não quer conversa com a política. Pelo menos, por enquanto. Hoje, ele apoiaria um outro nome para disputar

Leia Mais

A última batalha de Wilma

O resultado das urnas no Rio Grande do Norte consagra alguns nomes. Mas também condena outros. Um caso emblemático é Wilma de Faria (PSB), candidata

Leia Mais

A “Quadrilha” do PMDB

Rodrigo Janot contabilizou 22.971 mensagens e telefonemas trocados entre os integrantes da Orcrim do PMDB entre 2012 e 2014, destaca Marco Grillo, no Globo, após

Leia Mais