Em lágrimas, Witzel diz: “Não deixei a magistratura para ser ladrão”

wilson witzel1 Em lágrimas, Witzel diz: “Não deixei a magistratura para ser ladrão”

Chorando e visivelmente emocionado, o governador do Rio de Janeiro afastado, Wilson Witzel (PSC), pediu a palavra antes de ser interrogado por desembargadores e deputados estaduais no Tribunal Especial Misto (TEM), na tarde desta quarta-feira (7).

Não deixei a magistratura para ser ladrão. O que estão fazendo com a minha família, a minha mulher, é cruel”, afirmou, ao abrir seu discurso no processo de impeachment do Tribunal de Justiça do Rio.

Witzel se defendeu e alegou que tinha confiança em Edmar Santos, ex-secretário estadual de Saúde e principal delator no esquema de propina do estado do Rio.

Quem pagou os R$ 8 milhões em propina para o Edmar, que foram encontrados com ele, foi o patrão dele, o Edson Torres (empresário, réu no processo). Na versão do Edmar, eu determinava a OS (Organização Social) X , a OS Y. Ele tinha um patrão que pagou R$ 18 milhões de propina. Ele não devia obediência a mim. Era impossível saber. Só soube depois da investigação da Polícia Federal e da Polícia Civil “, contou.

Terceiros pediram dinheiro em meu nome. Fizeram duas buscas e apreensões na minha casa e acharam somente bijuterias. O processo de impeachment é doloroso”, seguiu Witzel.

A defesa do governador do Rio afastado tentou adiar o julgamento por duas vezes.

Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
Categorias

Ingratidão

Testemunhas que ouviram uma recente declaração do prefeito-reeleito de Serra Negra do Norte, Rogério “Tio Patinhas

Leia Mais