Dnocs usa a Polícia para expulsar os pobres, mas não mexe com os ricos que ficam e poluem a barragem

O Dnocs é acusado por um comerciante de Jucurutu de usar dois pesos e duas medidas sobre as ocupações ilegais nas margens da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves. “Quem tem influência fica e polui, quem não tem é expulso pela Polícia a mando dos Dnocs”, explica.

O aposentado Isaías Leopoldino Tavares disse que só derrubaram as barracas dos pobres das margens do reservatório e deixaram as construções das ilhas. “Eu fiquei aqui porque não tenho para onde ir”, diz Seu Isaias.

No local onde havia as barracas da Prainha de São Rafael hoje só existem algumas estacas. Foram todas retiradas por determinação da Justiça em ação movida pelo Dnocs. O mesmo não aconteceu nas ilhas, onde existem enormes áreas de lazer controladas por empresários de Mossoró, e nas margens da barragem em Itajá existem restaurantes controlados por empresários locais.

“Não sei por que não tiraram eles também”, diz Geraldo Margela, do Dnocs de Assú, reafirmando que são construções ilegais.

Sobre as ocupações ilegais na Armando Ribeiro Gonçalves, a assessoria do Ibama informou que é o próximo destino dos fiscais, que atuam com apoio do Ministério Público Federal e da Polícia Federal. O Idema também informou que nesta semana realiza operação em São Rafael, para encerrar as atividades dos curtumes.

Por César Alves – Jornal De Fato

Uma resposta

  1. No Brasil desde sempre o poder político e as forças coercitivas do Estado sempre estiveram à serviço do poder econômico e não será agora que isso irá mudar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Recentes

Categorias