CNJ entrega relatório a autoridades do RN com recomendações para sistema carcerário

O conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Guilherme Calmon entregou, nesta sexta-feira (18/10), a autoridades do Rio Grande do Norte, o relatório final do Mutirão Carcerário que o órgão realizou no estado no período de 2 de abril a 3 de maio deste ano. Com 771 páginas, o documento traz recomendações para a solução de uma série de problemas identificados nas unidades prisionais, sendo os principais a superlotação, a insalubridade, a falta de assistência médica, o racionamento de água, a alimentação de má qualidade e as denúncias de tortura e maus-tratos.

A solenidade de entrega do relatório ocorreu no plenário do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN), em Natal/RN. Além do conselheiro Guilherme Calmon, que supervisiona o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), do CNJ, o evento contou com a participação do presidente do TJRN, desembargador Aderson Silvino, de magistrados da Justiça local e de representantes do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Secretaria de Estado da Justiça. O juiz auxiliar da Presidência do CNJ Luiz Carlos Rezende e Santos também esteve presente.

Entre as recomendações constantes do relatório está a que alerta o governo estadual para a necessidade de construção e reforma de unidades prisionais, providências apontadas como importantes para combater a superlotação e reforçar a estrutura das prisões. A retirada de presos das delegacias, onde o mutirão flagrou graves violações aos direitos humanos, é mais uma recomendação do CNJ, da mesma forma que a urgente interdição e retirada de detentos do Centro de Detenção Provisória (CDP) da Ribeira e da unidade semiaberta do Complexo João Chaves, de Natal.

O relatório recomenda ainda ao governo local, sobre a pouca quantidade da água que é fornecida aos presos, a perfuração, se necessário, de poços artesianos. “Esta situação é fator preponderante para a precariedade da higiene e insalubridade das unidades, afetando diretamente a saúde dos presos”, diz o documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

maio 2021
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
Categorias

Vigilantes anunciam paralisação

O Sindicato Intermunicipal dos Vigilantes (Sindsegur) anunciou que no próximo dia 1º de fevereiro haverá paralisação nacional da categoria. A principal reivindicação é o cumprimento

Leia Mais