Cientistas identificam gene que pode acelerar cura de feridas e lesões

Girl (4-6) with plaster on knee, close-up of knee (B&W)
Girl (4-6) with plaster on knee, close-up of knee (B&W)Determinante no acompanhamento de cirurgias e acidentes, o processo de cicatrização de órgãos humanos, internos e externos, pode ganhar um reforço da terapia genética. Pesquisadores da Ohio State University, nos Estados Unidos, identificaram um gene que desempenha papel-chave na cura de feridas.

É o MG53 — uma proteína que, entre as funções, corrige o dano celular e tecidual que ocorre durante atividades cotidianas, como caminhar e digitar, evitando, assim, o surgimento de lesões.

“Todos os animais carregam essa proteína, que é quase idêntica neles, não importa em qual espécie”, explicaram, em comunicado, os autores do estudo, apresentado, na quarta-feira, na 60° Reunião Anual da Biophysical Society, nos EUA.

Para investigar a fundo essa capacidade curativa, a equipe decidiu averiguar o que aconteceria se ação do MG53 fosse silenciada. O experimento foi feito com ratos — alguns tiveram danos induzidos no coração, outros não. As cobaias sem a proteína MG53 não conseguiram se recuperar do problema, diferentemente dos roedores do segundo grupo, que tinham a substância ativa no corpo. A consequência imediata dessa falha é que, em situações de estresse, o órgão vital teria o funcionamento comprometido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

outubro 2021
DSTQQSS
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31 
Categorias