Ápice de mortes por covid-19 no Brasil ainda é 22 de maio, mas número subiram em julho

O Brasil perdeu pelo menos 131.625 pessoas para a covid-19 até as 18h30 deste domingo (13.set.2020). Não se sabe ao certo quando 20.827 desses brasileiros morreram, e outros 2.474 óbitos permanecem em investigação para determinar se a causa foi o novo coronavírus.

O ápice real de mortes, portanto, é incerto. A data mais provável é 22 de maio, quando ao menos 1.144 pessoas morreram. É o que indicam os dados computados pelo Ministério da Saúde até 7 de setembro.

A pasta informa diariamente o número de mortes confirmadas por covid-19, o que inclui vítimas de dias anteriores e que a data do óbito ainda não tinha sido determinada. Uma vez por semana, o governo atualiza o número de mortes por data de ocorrência, detalhando quantas pessoas morreram por causa da doença em cada dia.

O gráfico abaixo resume 1 mês de análise do Ministério da Saúde. Em azul, estão as mortes que, até 8 de agosto, já tinham data conhecida. Em laranja estão as informações divulgadas no boletim mais recente, de 7 de setembro.

O número de mortes caiu em junho na comparação com maio, mas volta a subir no fim de julho, que pode vir a se tornar 1 novo pico.
B7B50783 D397 4815 81C0 0AC4C64A946E Ápice de mortes por covid-19 no Brasil ainda é 22 de maio, mas número subiram em julho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

janeiro 2021
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
Categorias

O arroz, a cebola e a batata

Enquanto o arroz vai aumentando de preço durante a crise da Pandemia do Coronavírus, a cebola e a batata ficaram mais baratas. O arroz bem plantado está dando lucro e crescendo

Leia Mais

A Cultura na era Lula

Quanto ao governo Lula e à Cultura, em que pesem muita marola e marketing, tudo vai terminar pior do que antes. No Orçamento de 2011,

Leia Mais

O vento de Raimundo Fernandes

O deputado estadual Raimundo Fernandes (PSDB) começou o governo em cima do muro, se declarou oposicionista, depois subiu ao palácio da governadoraria, onde posou alegre

Leia Mais