Penso, logo existo...

Tag: papai

Kadu Ciarlini: ‘não sou só filhinho da mamãe e do papai’

Em entrevista ao Sistema Rural de Comunicação, durante a Feirinha de Sant’Ana, o publicitário Kadu Ciarlini, nome escolhido para ser o companheiro de chapa de Carlos Eduardo, na disputa pelo Governo do RN, reconheceu que o desafio será grande, porem acredita que a caminhada vai valer a pena.

Acompanhado de sua mãe, prefeita Rosalba Ciarlini, no estúdio da Rural na Praça da Catedral, Kadu disse que sua intenção é aproveitar a campanha para mostrar que tem ideologias políticas próprias.

“Eu tenho orgulho de ser filho de Rosalba, mas eu quero mostrar que não sou só o filho de Rosalba, quero mostrar que tenho ideias, que trouxe algumas inovações que vamos contar ao longo da campanha”, destacou.

ciarlini, filhinho, papai

Papai no meu lugar

Roberto Jefferson começou a avaliar o desgaste da nomeação de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho. Pessoas próximas a ele dizem que o ex-deputado já avalia voltar ao Rio de Janeiro — ele está filiado ao PTB em São Paulo — para tentar retomar o mandato, no lugar da filha, que sairia prejudicada com uma eventual volta do pai às origens.

lugar, papai

Se Papai-Noel existisse e viesse ao Brasil seria preso

Se o Papai Noel realmente existisse não seria bem-vindo quando chegasse ao Brasil. A Receita Federal alegaria crime de descaminho pela importação de produtos sem o pagamento de impostos e cobraria 100% de multa sobre cada item. Os políticos nacionalistas questionariam a entrada de produtos importados que “concorrem em condição desleal com a indústria nacional” e “aumentam nossa dependência do capital estrangeiro chinês”, afinal, a roupa dele é vermelha, só pode ser comunista. O CADE abriria um processo contra o bom velhinho por dumping praticado ao distribuir presentes gratuitamente para acabar com os competidores locais. O Ministério Público do Trabalho questionaria a jornada de trabalho dos duendes e sua mão-de-obra barata, enquadrando o barbudo como explorador de trabalho escravo. Os militantes pelo direito dos animais fariam campanhas pelas redes sociais contra os maus-tratos feitos às renas obrigadas a carregar pesados presentes por todo o país. Como resultado, o Ibama iria autuar o Papai Noel por crime ambiental. Os Correios entrariam com uma liminar no STF suspendendo a entrega dos presentes alegando que possuem o monopólio postal e a entrega de presentes que cabem em cartas deveria ser exclusividade dos Correios. Os xenófobos alegariam que a presença de um estrangeiro sem documentação sobrevoando o Brasil constituiria uma grave ameaça à “segurança nacional”. Discursos inflamados seriam feitos no Congresso Nacional pedindo à FAB para derrubar o trenó do bom velhinho e acabar com sua livre viagem pelo Brasil. Os militantes LGBT alegariam que ele não emprega duendes gays, lésbicas ou transsexuais, nem entrega bonecas com o órgão sexual masculino, e o acusariam de homofóbico. A mídia faria matérias sobre o aumento da desigualdade social gerado pela distribuição de presentes somente aos “bons meninos” e criaria o termo “maufóbico” para se referir ao Papai Noel. Haveria mais um motivo para chamar Pabllo Vittar para todos os programas de televisão possíveis: comentar a transfobia do bom velhinho que não usa o termo “bxns meninxs”. No fim, totalmente impossibilitado de fazer o seu trabalho e preso pela acusação de assédio ao tentar colocar um presente debaixo da cama de uma feminista, Papai Noel enviaria um último presente, especial, que o tiraria de toda esta enrascada. Entregue por Fedex (por Sedex só chegaria depois do Ano Novo) a um tal Gilmar, o bom velhinho de todos os presos.

Brasil, existisse, papai, preso, seria, viesse

Rir, rir, rir com Papai Noel

Para extrair o melhor humor desta história real, é bom relembrar a figura de seus personagens. O primeiro, Fernando Henrique Cardoso, ele mesmo! – o presidente da República que contratou a chef de cuisine Roberta Sudbrack para incrementar as refeições em palácio. O segundo, mau humor permanente, é o senador José Aníbal. Floriano Pesaro, secretário de Doria; e o poeta e cientista político Fernando Fefo Guimarães. Todos tucanos; e Guimarães, além disso, criador da ala tucana Esquerda pra valer. Pois é. Um encontro tucano, claro. E, claro, num bom restaurante de carnes importadas, harmonizadas com os vinhos caros da moda. Assunto maior, fora o cardápio: a necessidade de uma guinada do PSDB à esquerda. Nada mais justo, recordando-se a origem política muroesquerdizante dos tucanos.

papai

Papai Noel não esquece Funaro: passa Natal em casa

Lembra-se do doleiro Lúcio Funaro, envolvido desde 2003 na remessa de dinheiro ilegal ao Exterior? Em 2003, foi apanhado por Moro, mas sabe como é, o tempo passa, o tempo voa e ele foi se mantendo no ramo. Agora, apanhado de novo, delatou muita gente e conseguiu pegar apenas dois anos de pena. Mas vai passar o Natal em casa, porque o bom Papai Noel não se esquece de ninguém.

esquece, funaro, Natal, papai, passa

Todo mundo quer Roberto! É o mininim do papai, é?

garibaldi-custom.JPG

O Senador Garibaldi Alves Filho (veja foto) disse em Caicó que seria muito bom o retorno do ex-prefeito Roberto Germano para o sistema oposicionista no município. O Senador falou que para ele ficou muito claro no contato que manteve com lideranças políticas e o povo que Roberto é um reforço importante. Pelas declarações de Garibaldi Alves também ficou claro que se Roberto vier mesmo a ser o candidato contra Bibi Costa, atual prefeito, poderá ter o apoio do seu sistema em Caicó. O deputado estadual ?lvaro Dias já declarou que poderá apoiar a candidatura do ex-prefeito. Mas, o deputado Vivaldo Costa também já declarou que poderá apoiar Roberto Germano. Ou seja, Roberto é disputado por todos. Uma situação confortável… Até demais! E quando a esmola é grande o cego….

mininim, mundo, papai, roberto

Deputado ?lvaro Dias vai ser papai

O vereador caicoense lobão, fiel escudeiro do deputado estadual ?lvaro Dias, confirma: a partir da próxima sexta-feira o parlamentar estará atendendo em Caicó todo final de semana. O atendimento será feito pela Fundação Seridó Central. ?lvaro, que é médico, fez uma reciclagem ano passado em Brasília com esse objetivo. Por falar em ?lvaro, vem mais um herdeiro do deputado a caminho. A sua esposa, a juíza Amanda Grace Diógenes Dias, está grávida de quatro meses.

Deputado, lvaro, papai

É o “mininin” do papai! É ?

O prefeito de Jardim de Piranhas, Antonio Macaco, informou ao BLOG que o seu filho, Leandro Macaco, não será candidato á prefeito nas próximas eleições municipais na cidade Paraibana de São José do Brejo do Cruz, conforme noticiado. Antonio disse que seu filho ainda é muito novo para entrar na vida pública. O seu desejo é que Leandro termine a faculdade de Direito, onde já está no segundo período, para depois pensar em política ou atividade empresarial. Não descarta, entretanto, que Leandro venha a ser seu herdeiro político, podendo até ser candidato á prefeito de Jardim de Piranhas. Palavra de pai!

mininin, papai