Penso, logo existo...

Tag: BBOM

STJ suspende ação penal contra sócios da empresa que operava sistema BBOM

BBOM logo Está suspensa a ação penal a que os sócios das empresas que operavam o sistema BBOM respondem na 6ª Vara Federal Criminal da São Paulo. A decisão liminar é do desembargador convocado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Walter Guilherme e vale até que seja julgado o mérito do habeas corpus que definirá a competência (federal ou estadual) para o processamento da ação penal. A decisão do STJ diz respeito à ação penal respondida por João Francisco de Paulo e beneficia também os corréus Jeferson Bernardo de Lima e José Fernando Klinke. O esquema foi identificado pelo Ministério Público como uma pirâmide financeira, sob disfarce de “marketing multinível”. O esquema BBOM seria, de acordo com a denúncia, o sucessor do Telexfree e já teria movimentado quase R$ 500 milhões. Para o MP, existem indícios de crimes contra o sistema financeiro nacional, bem como de lavagem de dinheiro. A defesa sustenta que a competência não seria federal, mas estadual, por se tratar de investigação contra a economia popular e não contra o sistema financeiro nacional. Inicialmente, a liminar foi negada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região. Na decisão, o TRF3 entendeu que não se poderia excluir a possibilidade de existência do crime federal, considerando que o esquema empresarial era complexo. No STJ, em abril passado, já havia sido concedida uma liminar pelo ministro Marco Aurélio Bellizze, então relator do habeas corpus, para liberar parte dos ativos financeiros bloqueados das empresas envolvidas no suposto esquema – Embrasystem e Brasil Organizações e Métodos Ltda. A defesa, então, insistiu com o pedido de suspensão da ação. Ao analisar o caso, o desembargador convocado Walter Guilherme observou que o ministro Bellizze, apesar de não ter se manifestado quanto à competência, “encaminhou raciocínio no sentido de cuidar-se a atividade das empresas investigadas de crime contra a economia popular”.

BBOM

MPF denuncia membros da BBom por criação de pirâmide financeira

BBOM-pra-cima O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) denunciou cinco pessoas que se associaram, “de forma criminosa”, segundo o órgão, para montar um esquema de pirâmide financeira sob o disfarce de “marketing multinível”, bem como pela negociação de contratos de investimento coletivo sem registro. De acordo com o MPF, os denunciados vão responder pela prática de crimes contra o mercado de capitais, o sistema financeiro e a economia popular e ainda por lavagem de dinheiro, “uma vez que se articularam para ocultar o patrimônio adquirido com os crimes praticados e para movimentar, em contas de terceiros, os recursos ilicitamente obtidos dos consumidores que se associaram ao chamado Sistema BBom”. A estimativa do órgão é que um milhão de pessoas investiram no “negócio”, cujo faturamento foi de R$ 2 bilhões. “Os cinco denunciados trabalhavam com a emissão de contratos de investimento coletivo e assim criaram uma gigantesca pirâmide financeira”, disse o procurador da República Andrey Borges de Mendonça, autor da denúncia, em nota. Segundo o procurador, para dar uma aparência de legalidade ao “negócio”, os denunciados afirmavam tratar-se de um sistema de mercado multinível, baseado na venda de rastreadores. “Mas não havia a venda efetiva de rastreadores, tratava-se de um engodo para ludibriar as vítimas”.

BBOM

BBOM obtém segunda vitória na justiça

bbom rastreadores Em sua página na internet (www.bbom.com.br), empresa manifestou-se sobre a decisão que conseguiu na última sexta-feira (08), na nota divulgada no site, consta a seguinte informação “propôs a medida de segurança para que os órgãos do Poder Executivo, que se mantém instados pelo Ministério Público Federal (que ora é parte nas ações que movem em face desta Empresa), mantenham a sua atuação nos limites de suas competências constitucionais e legais, sob pena de, agindo com excesso de poder, causem danos irreparáveis à parte e a seus associados, com o emprego de prerrogativas de Estado – o que é vedado pelo regime jurídico que conforma o Direito Público.” O juiz Antônio Cláudio Macedo da Silva, que concedeu a liminar comparou as atividades da empresa a outras empresas que trabalham com “venda direta”, no caso as do ramo de cosméticos, sem citar o fabricante o Juiz afirma que “essas empresas também tornam consumidoras em vendedoras e passam a integrar uma rede de distribuição e receber benefícios por isso”.

BBOM

Justiça bloqueia investigação sobre a BBom, suspeita de pirâmide

bbom igIG – A Justiça impediu provisoriamente a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (Seae/MF) de investigar os negócios da BBom, acusada de ser uma pirâmide financeira , que atraiu 300 mil pessoas. A liminar foi concedida pelo juiz Antonio Claudio Macedo da Silva, da 8ª Vara Federal de Brasília. É a segunda vez que a Seae/MF sofre uma derrota judicial a pedido de empresas que enfrentam, na Justiça, acusações de serem pirâmides financeiras. A Telexfree – que está com as contas bloqueadas desde junho de 2013 – conseguiu impedir que o órgão colocasse em seu site os resultados de um parecer que apontou indícios de pirâmide financeira nas práticas da empresa, e que o negócio não era sustentável. O relatório sobre a Telexfree é um dos argumentos do Ministério Público do Acre (MP-AC) para pedir a extinção da empresa e a devolução do dinheiro a quem investiu no negócio. Seus representantes sempre negaram irregularidades. Segundo o iG apurou, o relatório sobre a BBom estava em vias de conclusão e, excluídos os dados sigilosos, poderia ser consultado por qualquer pessoa. Na decisão, o juiz Macedo da Silva escreveu que a Seae/MF não tem competência para atuar no caso da BBom, uma vez que não havia indícios de que a empresa estivesse praticando captação indevida de poupança popular nem práticas contrárias ao direito antitruste, que protege a livre concorrência – atividades integrantes da alçada do órgão. O juiz fez a ressalva, entretanto, de que pode estar “equivocado, ou até mesmo, equivocadíssimo” ao não encontrar, na análise rápida feita para a concessão da liminar, indícios de captação indevida de poupança popular por parte da BBom. Ele também escreveu que, em análise “não exaustiva”, não vê uma pirâmide financeira no modelo de negócios da empresa.

BBOM

Acusada de pirâmide financeira, BBOM é liberada pela Justiça

BBOM 2 A Embrasystem Tecnologia em Sistemas, Importação e Exportação Ltda. e a BBrasil Organizações e Métodos Ltda. — ambas responsáveis pela marca BBOM — poderão retomar suas atividades normalmente. Uma liminar expedida pelo Desembargador Federal Reynaldo Fonseca, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (CLIQUE AQUI), suspende efeitos da decisão da Juíza da 4ª Vara Federal de Goiânia, que impedia a empresa de exercer suas atividades. Ou seja, segundo o mais recente entendimento, a BBOM não pratica a fraude conhecida como pirâmide financeira, e sim marketing multinível legítimo. Com a decisão, a BBOM poderá voltar a efetuar vendas diretas e conceder bônus de vendas diretas aos seus divulgadores, além de ter liberado valor suficiente para o pagamento de seus compromissos, incluindo salários, impostos e fornecedores.

BBOM

Ministério Público Federal nega acordo com BBOM

BBOM 2 Os bens da BBOM continuam bloqueados. O Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) foi surpreendido com a divulgação, na Internet, de notícias inverídicas por parte da empresa sobre um possível acordo. Diante das falácias publicadas, os procuradores da República Mariane Guimarães e Helio Telho informam que não há qualquer Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado e o dinheiro continua bloqueado. “O MPF tem o compromisso com a lealdade e a transparência, e esse tipo de atitude por parte da empresa é inaceitável. O fato será comunicado em juízo para que seja aplicada a penalidade cabível por propaganda enganosa. Não aprovamos esse comportamento da BBOM em plantar notícias falsas na Internet no intuito de induzir a erro os consumidores com informações falaciosas”, afirma Mariane Guimarães. De acordo com a Lei 8.137/90, artigo 7º, inciso VII, constitui crime contra a relação de consumo induzir o consumidor ou usuário a erro, por via de indicação ou afirmação falsa ou enganosa sobre a natureza, qualidade do bem ou serviço, utilizando-se de qualquer meio, inclusive a veiculação ou divulgação publicitária. A pena prevista é de detenção (dois a cinco anos), ou multa. A BBOM realmente apresentou uma sugestão para que a empresa voltasse às atividades, porém, preliminarmente, o MPF constatou que faltam diversas informações solicitadas, tais como a relação completa dos investidores com os respectivos valores investidos. Diante disso, não foi agendada ainda uma audiência de conciliação e nem mesmo apresentado um TAC. “Ademais, entendemos que qualquer tratativa de acordo só seria possível com a devolução de toda a quantia investida aos consumidores e a adequação da empresa às regras da Associação Brasileira de Empresas de Venda Direta, da qual a BBOM não é filiada”, explica.

BBOM

BBom recorre contra bloqueio de bens feito pelas Justiças de GO e SP

BBOM 2 G1 GO – Investigada por suspeita de pirâmide financeira, a empresa BBom informou nesta sexta-feira (30) que recorreu da decisão da Justiça Federal de Goiás, que bloqueou mais de R$ 300 milhões em bens da Embrasystem, dona do nome fantasia da marca, e dos seus sócios. Em nota, a empresa diz que “confia na Justiça brasileira e que aguarda uma decisão contra a ação do Ministério Público Federal de Goiás (MPF-GO)”.  Além disso, ressalta que “está colaborando com a divulgação de todas as informações solicitadas”. Na última quarta-feira (28), a Embrasystem foi alvo de uma nova medida judicial. Desta vez, o pedido da Procuradoria da República foi aceito pela Justiça Federal de São Paulo, que determinou o sequestro de 49 veículos, entre eles 26 carros de luxo, e o bloqueio de R$ 479 milhões em contas bancárias de dirigentes. A decisão é do juiz Marcelo Costenaro Cavali, da 6ª Vara Criminal Federal paulista, que destacou que os agentes da Polícia Federal estavam com dificuldade para recolher os veículos.

BBOM

Grupo do interior de PE tenta reaver R$ 622 mil que investiu na BBom

BBOM 2 O Jornal do Commércio, de Pernambuco, revelou o maior prejuízo com as supostas pirâmides financeiras revelado até agora em todo o país, quando um pequeno grupo de pessoas do interior do estado tenta reaver R$ 622 mil que investiu em conjunto na BBom. A empresa foi suspensa pela Justiça há mais de um mês a pedido do Ministério Público, sob a acusação de ser uma pirâmide. Seis pessoas de Caruaru, a 120 quilômetros do Recife, juntaram seu dinheiro para investir na BBom e colocaram no negócio até uma entidade de ensino, a União de Instituições para o Desenvolvimento Educacional, Religioso e Cultural (Uniderc). O “pacote de investimento” foi pago em três depósitos, tudo pela promessa de retorno de 300% em um ano. Mas a empresa foi paralisada e os investidores não receberam nada. O grupo entrou na Justiça para reaver o dinheiro. Na ação, alega haver “vastas evidências” de que a BBom é uma pirâmide. O Judiciário negou o primeiro pedido, de bloquear dinheiro nas contas da empresa a favor do grupo, mas o pedido de devolução ainda será julgado. As informações sobre o processo são públicas e podem ser acessadas por qualquer um no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). O grupo de investidores foi localizado pelo JC, mas não concedeu entrevista.

BBOM

Telexfree e BBom: deputado promete frente parlamentar de apoio às empresas

telexfreeDeputados federais prometeram aos representantes de Telexfree , BBom e Multiclick a criação de uma frente parlamentar para apoiar as empresas de marketing multinível (MMN) – baseado em revendedores autônomos – e criar um marco regulatório para o setor. As três empresas são acusadas de disfarçarem, sob a aparência de marketing multinível, esquemas de pirâmide financeira, o que é crime no Brasil. BBom e Telexfree, que juntas têm mais de 1,3 milhão de revendedores, estão com as contas bloqueadas pela Justiça. Farão parte da frente parlamentar, inicialmente, os deputados Perpétua Almeida (PC do B-AC) e Acelino Popó (PRB-BA). O grupo será responsável pelo marco regulatório. Popó defendeu abertamente as empresas acusadas de serem pirâmides. “A minha ideia é defender as pessoas que entraram nas redes, que as pessoas continuem nas redes se dando bem ou recebam aquilo [ que deveriam receber ]”, afirmou Popó ao iG . “Se fosse realmente pirâmide, essas pessoas [ responsáveis pela Telexfree e pela BBom ] estavam escondida como [ aconteceu com ] Avestruz máster e Boi Gordo [ casos conhecidos de pirâmides financeiras ]. As propostas foram apresentadas nesta quarta-feira (21) durante audiência pública mista das Comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Defesa do Consumidor. Perpétua foi uma das responsáveis pela convocação do evento. A deputada Perpétua considerou “precipitado” o bloqueio de Telexfree e BBom, mas ressalvou que a frente parlamentar será em defesa “da regulamentação do marketing multinível”. “Se essas empresas vão poder se regulamentar, nós não sabemos”, diz a parlamentar. Segundo Popó, a frente parlamentar já conta com o apoio de pelo menos outros quatro deputados.

BBOM, TelexFREE

Veja: BBom usa ‘laranja’ para tentar sacar R$ 2,5 mi de conta bloqueada

bbom veja O Ministério Público Federal (MPF) afirmou, em nota, que a empresa Embrasystem, conhecida pelo nome fantasia de BBom, tentou furar o bloqueio judicial do qual é alvo para efetuar o saque de 2,48 milhões de reais. Segundo o MP, a esposa do diretor de marketing do grupo, Cristina Dutra Bispo, estava prestes a sacar o dinheiro, quando o MPF detectou e impediu a operação, por meio de ação cautelar incidental contra o diretor de marketing da empresa e sua esposa. A esposa, no caso, atuaria como ‘laranja’ da empresa. A BBom tem mais de 300 milhões de reais congelados pela Justiça. Segundo o MPF, o grupo tentou organizar um esquema de contas de terceiros para furar o bloqueio. “O casal receberia milhões em dinheiro desviado com a finalidade de frustrar o bloqueio das empresas do grupo”, disseram os procuradores da República Helio Telho e Mariane Guimarães, em nota. Após a tentativa de burlar a lei, o casal passa a integrar, como réus, a ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal em Goiás (MPF/GO) contra o grupo BBom. Na ação, pede-se a condenação por formação de pirâmide financeira e captação irregular de poupança popular, além da dissolução jurídica da BBom e a reparação dos danos causados aos consumidores.

BBOM

Justiça manda BBom devolver R$ 150 mil

BBOM 2 A Justiça de Pernambuco concedeu liminar que obriga a BBom (Embrasystem Tecnologia em Sistemas) a devolver R$ 150 mil investidos pelo recifense Gustavo de Andrade, bancário de 33 anos. É o primeiro caso no estado e o segundo em âmbito nacional que indica a vitória parcial do investidor em processos contra empresas suspeitas de praticar crime contra a economia popular, a pirâmide financeira. O juiz da 11ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Luiz Sergio Silveira Cerqueira, reponsável pelo julgamento, solicitou em decisão que o montante seja bloqueado das investigações nacionais, para que, após o julgamento, seja restituído ao investidor pernambucano. No processo, ele afirma não ser possível a solicitação de devolução imediata do investimento por inviabilidade do réu (BBom), que está, há cerca de um mês, com contas bloqueadas por ordem da Justiça Federal de Goiás, para que o indicativo de crime seja investigado. A BBom será notificada e terá que apresentar defesas em até 15 dias.

BBOM

Ministério Público quer dissolução da BBom e reparação dos danos aos consumidores

BBOM 2 A dissolução jurídica do sistema BBom e a reparação dos danos causados aos consumidores são os dois principais objetivos da ação civil pública proposta pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual contra a Embrasystem Tecnologia em Sistemas, Importações e Exportações (nomes fantasias Unepxmil e Bbom). A demanda é assinada pelos procuradores da República Mariane Guimarães e Helio Telho e pelo promotor de Justiça Murilo de Morais e Miranda. Em ação cautelar, no mês passado, os bens da empresa já haviam sido bloqueados e as atividades do grupo suspensas por decisão judicial. Além desses dois pedidos, na ação civil pública, o Ministério Público pede que cessem, definitivamente, as condutas ilícitas de recrutamento de pessoas e captação de recursos em forma de pirâmide, bem como a venda de rastreadores e prestação de serviços de monitoramento de veículos sem autorização do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Já para proteger os consumidores, foi pedida a condenação dos sócios da empresa, solidariamente, à obrigação de ressarcir os danos materiais e morais causados aos consumidores/investidores (o que pode se dar em liquidação de sentença). Foi requerida ainda a apresentação da relação de nomes, valores pagos e dados pessoais de todas as pessoas que adquiriram pacotes ou realizaram pagamentos para a aquisição de rastreadores.

BBOM

BBOM continua cumprindo decisão judicial

A empresa de marketing multinível BBOM continua cumprindo a decisão da Justiça Federal de Goiás, que determinou a suspensão das suas atividades e o cadastro de novos associados. Portanto, venho a público explicar uma brincadeira do colega blogueiro Jair Sampaio, que recentemente fotografou o Xerife Robson Pires realizando um saque no Banco do Brasil. Embora não tivesse intenção maliciosa, ele citou que seriam dividendos da BBOM. Apesar de ser investidor da empresa, quero esclarecer que se tratava de um saque convencional da minha conta corrente, mas sem nenhuma relação com os repasses a investidores.  Igualmente, também informo que não entrei em contato com o João Francisco identificado na matéria. Portanto, reitero que tudo não passou de uma brincadeira. robson BBOM

BBOM

Cadastros da BBom são bloqueados pela Justiça por suspeita de pirâmide

bbom site A BBom, empresa que na semana passada teve as contas congeladas por suspeita de ser uma pirâmide financeira , agora está impedida de cadastrar novos distribuidores, conhecidos como associados. Hoje, eles somam cerca de 300 mil. A liminar – decisão temporária — foi concedida na terça-feira (16) pela 4º Vara Federal de Goiânia, a pedido do MInistério Público Federal em Goiás (MPF-GO). É a segunda vez quase 30 dias a Justiça bloqueia a expansão de uma rede apresentada como marketing multinível, mas que é considerada uma pirâmide financeira pela força-tarefa de promotores e procuradores da República que analisa a atuação de 18 empresas com modelos de negócios semelhantes . A primeira empresa impedida de cadastrar novos representantes foi a Telexfree. Procurada, a BBom não tinha ninguém imediatamente disponível para comentar a nova decisão, mas prometeu um posicionamento. Seus responsáveis sempre negaram irregularidades , assim como os da Telexfree . A BBom é apresentada como o braço de marketing multinível da Embrasystem, que atua no mercado de rastraeamento de veículos.O MPF-GO, entretanto, acusa a BBom de ser uma pirâmide financeira, que depende das taxas de adesão pagas pelos associados – de R$ 600 a R$ 3 mil – e não dos produtos e serviços da Embrasystem. O MPF-GO argumenta também que a Embrasystem não tem autorização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para oferecer os serviços de rastramento e monitoramento. Além disso, alega que o faturamento da empresa disparou de cerca de R$ 300 mil ao longo de 2012 para R$ 100 milhões em março de 2013. A BBom foi lançada em fevereiro e, desde então, atraiu quase 300 mil associados com campanhas que exaltam os ganhos expressivos de seus melhores revendedores. Só dinheiro estava bloqueado No dia 10 de junho, a pedido dos procuradores da República em Goiás, a juíza substituta da 4ª Vara Federal de Goiânia, Luciana Laurenti Gheller, determinou bloqueio das contas da Embrasystem e de seus sócios administradores. Segundo o MPF-GO, foram congelados R$ 300 milhões, além da transferência de mais de cem veículos – entre eles, quatro Lamborghinis e um Rolls Royce. A decisão, porém, não impedia que a BBom continuasse a cadastrar associados. Ou seja, o que o MPF-GO entende como pirâmide financeira poderia continuar a se expandir. Por isso, entrou com um pedido de aditamento de liminar, que foi julgado nesta terça-feira (16). Em entrevista ao iG no dia 10 de junho, o dono da Embrasystem, José Francisco de Paulo, acusou pessoas “mal intencionadas” de plantarem informações falsas contra a empresa, mas disse respeitar as investigações. Ele também argumentou que a Anatel não possui um tipo de autorização específica a ser concedida a empresas de rastreamento e monitoramento e disse que no “ganhar muito dinheiro é crime no Brasil”. Febre das pirâmides Membros do governo federal e dos ministérios públicos estaduais e federal têm considerado que o País vive uma febre de empresas com características de pirâmides financeiras , decorrente em parte da popularização da internet. Atualmente, ao menos 18 empresas estão na mira de uma força-tarefa de promotores e procuradores da República. BBom e Telexfree foram as primeiras a terem suas atividades suspensa por decisões judiciais, mas o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP-RN) já anunciou investigações contra Cidiz, Nnex, Multiclick e Priples . A Cidiz nega irregularidades. Os porta-vozes da Multiclick e da Priples, procurados quando a investigação foi anunciada, não foram localizados. A Nnex não retornou os contatos feitos na tarde do dia 2 de julho. BBom e Telexfree, assim como outras empresas suspeitas, apresentam-se como redes de marketing multinível – um modelo de varejo legal em que os vendedores são incentivados a atrair outros membros para o negócio, pois ganham bônus pelas vendas desses últimos. A suspeita da força-tarefa, porém, é que essas redes sejam usadas apenas como fachada para pirâmides financeiras, em que o faturamento depende das taxas de adesão paga pelos vendedores para aderirem às redes e não de produtos ou serviços. Como a população é finita, esses sistemas são insustentáveis.

BBOM

Investidores da BBOM não deixaram de receber pagamentos

BBOM 2 Se analisarmos a decisão da Justiça Federal de Goiás, as atividades da empresa de marketing multinível BBOM não foram canceladas, pois ela continua operando seu sistema normalmente e recebendo aplicações. Inclusive, o blogue sabe de investidores que já receberam seus repasses mensais. Na realidade, o bloqueio judicial seria justamente no sentido de garantir os montantes investidos, enquanto se apuram as denúncias de formação de pirâmide. Em entrevista ao iG, o diretor da BBOM, Ednaldo Bispo, já havia declarado que o modelo de negócios não foi devidamente esclarecido. “E eu até entendo a posição da Justiça. A gente não gosta, mas entende”, afirma Bispo. “Vai ser a grande oportunidade de mostrar como [ a empresa ] funciona”.

BBOM

MP de Goiás confirma que bloqueio da BBOM é para garantir dinheiro investido

MP goiasNotícia publicada na página oficial do Ministério Público de Goiás garantiu que o bloqueio dos bens das empresas Embrasystem (nomes fantasias BBOM e Unepxmil) e BBrasil Organizações e Métodos e de seus sócios, em ação cautelar movida pela Procuradoria a República e pelo MPGO, serve para reaver o máximo possível do dinheiro investido, caso se confirme a hipótese de pirâmide financeira. Entre os bens bloqueados, estão mais de cem veículos, alguns de alto luxo – como Ferrari, Lamborghini e Mercedes, além de R$ 300 milhões em contas bancárias do grupo.

BBOM

BBOM não deixou de realizar pagamentos aos seus investidores

BBOM 2 Se analisarmos a decisão da Justiça Federal de Goiás, as atividades da empresa de marketing multinível BBOM não foram canceladas, pois ela continua operando seu sistema normalmente e recebendo aplicações. Inclusive, chegam informações ao blogue de que investidores já receberam seus repasses mensais na manhã de hoje (11). Na realidade, o bloqueio judicial seria justamente no sentido de garantir os montantes investidos, enquanto se apuram as denúncias de formação de pirâmide. Em entrevista ao iG , o diretor da BBom, Ednaldo Bispo, o modelo de negócios não foi devidamente esclarecido. “E eu até entendo a posição da Justiça. A gente não gosta, mas entende”, afirma Bispo. “Vai ser a grande oportunidade de mostrar como [ a empresa ] funciona”.

BBOM

Mesmo depois de decisão judicial, BBOM continua operando sistema

bbom site Apesar de decisão da Justiça Federal de Goiás, ao acessar o site oficial da BBOM percebe-se que a empresa de marketing multinível continua operando seu sistema e recebendo aplicações. No caso da Telexfree, o Tribunal de Justiça do Acre impediu o funcionamento da empresa e a realização de pagamentos e novas adesões, sob pena de multa diária de R$ 100 mil.  

BBOM

Após bloqueio pele Justiça Federal BBOM emite nota

BBOM logoO Grupo Embrasystem é uma empresa nacional, atuante no mercado há mais de 17 anos, que produz, distribui e presta serviços de tecnologia. Possui profissionais altamente qualificados com experiência na indústria de venda direta, marketing multinível e franchising. Somos uma empresa transparente, com endereço fixo e acessível a seus associados, clientes e demais interessados. Uma empresa sem dívidas, que paga todos os seus tributos e impostos. Estamos em conformidade com todas as legislações e regulamentações vigentes. Nos encontramos à disposição de qualquer esfera do poder público para consultas e informações sobre o nosso modelo de negócio. As empresas Unepxmil (rede de franquias), Eaglesat (indústria de equipamentos para a saúde), Ecadil (indústria química e farmacêutica), Extrato Flora (indústria de cosméticos), Life’s (indústria de energéticos e suplementos alimentares), Soggiorno Caffé (indústria de café premium) e a divisão BBOM Telecom, fazem parte do Grupo Embrasystem, com produtos e serviços à disposição para o canal BBOM de distribuição e divulgação. Possuímos canais de comunicação ativos com a nossa rede de associados com periodicidade semanal, buscando desenvolver uma relação comercial transparente e duradoura. Pregamos o respeito às empresas que atuam no mesmo mercado, e aos parceiros e clientes dessas instituições que utilizam o marketing multinível para melhorarem suas vidas. Afinal, o nosso mercado só existe graças a outras empresas que permitem com que as pessoas tenham opção de escolha. Acreditamos em modelos de negócios sustentáveis, baseados não somente na adesão de novas pessoas no sistema, mas que permitam aos consumidores se beneficiarem dos produtos e serviços, e consequentemente proporcionar o crescimento profissional através do marketing multinível. Temos um compromisso com os mais de 500 funcionários e mais de 3000 indiretos que estão nos ajudando a construir o nosso negócio. Da mesma forma, buscamos melhorar a cada dia e estreitar ainda mais a relação com nossos associados e clientes finais. O nosso crescimento nos últimos meses, nos forçou a acelerar ajustes em nossa estrutura para fornecer serviços de qualidade aos nossos associados e clientes. Sabemos que podemos e devemos melhorar ainda mais. E esse compromisso foi assumido em público. Atualmente um dos nossos maiores desafios é a unificação da linguagem adotada pela nossa rede de associados. Queremos evitar que uma minoria continue distorcendo a melhor forma de se construir um multinível baseado no consumo, na recomendação, na venda e na divulgação dos nossos produtos e serviços. Por isso, criamos o comitê de ética e normas de conduta que visa proteger o nosso maior legado, que são os nossos princípios: LEALDADE, RESPONSABILIDADE e REALIZAÇÃO. Para atender a crescente demanda da BBOM e otimizar a entrega dos rastreadores , realizamos ajustes nos processo de envio, onde os pedidos destes produtos até fevereiro de 2014 já foram efetuados. Os principais fornecedores da Embrasystem para o produto rastreador é a Maxtrac (um dos maiores fabricantes de rastreadores do Brasil) e a CalAmp (um dos maiores fabricantes de rastreadores do mundo). Acreditamos que podemos contribuir com a inclusão social, despertar o espirito empreendedor e atender às necessidades dos nossos clientes, oferecendo produtos e serviços de qualidade. As nossas instalações industriais, comerciais e administrativas estão à disposição de qualquer pessoa que queira conhecer quem somos e o que fazemos. O marketing multinível no Brasil vive um momento de questionamento sobre a legalidade desse modelo de negócio. E nós queremos contribuir para o fortalecimento de um mercado ético, legal, moral e justo. Sempre com total transparência e respeito. Nós somos a BBOM.

BBOM

Bens da BBOM ficam indisponibilizados pela justiça

BBOM logoA juíza federal substituta da 4ª Vara Federal de Goiânia, acatou pedido formulado pelo Ministério Público Federal em ação cautelar preparatória, e decretou a indisponibilidade dos bens da empresa EMBRASYSTEM – Tecnologia em Sistemas, Importação e Exportação Ltda, conhecida pelos nomes fantasia “BBOM” e “UNEPXMIL”, e da empresa BBRASIL ORGANIZAÇÕES E MÉTODOS LTDA, bem como dos bens dos sócios proprietários dessas empresas. Ao analisar a documentação juntada pelo Ministério Público Federal, a juíza entendeu pela existência de robustos indícios de que o modelo de negócios operado pela empresa BBOM se trata, na verdade, de uma “pirâmide financeira”, prática proibida no Brasil e que configura crime contra a economia popular. A decisão traça, primeiramente, as diferenças entre o modelo de negócios denominado “marketing multinível” ou “marketing de rede”, e o golpe conhecido por “pirâmide financeira”.

BBOM

Sucesso do BBOM se deve ao nível elevado de credibilidade e liderança

BBOM 2 A BBP é uma unidade de negócios especializada em venda direta, que utiliza as estratégias de Marketing Multinível para distribuição dos seus produtos. Formada por profissionais renomados no mercado, a empresa conta com a estrutura avançada e alta tecnologia que, aliados à sua experiência e prática no segmento, estão transformando o Mercado Multinível no Brasil. O sucesso do BBOM se deve ao nível elevado de credibilidade e liderança de seus associados e, principalmente, ao sistema inteligente de bonificação que garantem os status de figurar entre as maiores empresa do seguimento no país. Seja um investidor BBOM e tenha seu retorno garantido através dos ganhos positivos e faça parte do crescimento desta empresa que já nasceu grande. Cadastre-se agora clicando no link: https://www.bbom.com.br/robsonxerife

BBOM

Caicoense é premiado durante evento da BBOM em São Paulo

Jair Sampaio
Jair Sampaio
Sem palavras para definir o grandioso evento de lançamento oficial da BBOM, festa esta realizada no famosíssimo Clube HSBC de São Paulo, que teve a apresentação de Ana Hickmann e toda a cobertura do evento ficou por conta do glamouroso Amaury Júnior. Foi o que disse o caicoense Jair Sampaio “Um espetáculo à parte”, vários líderes da Bbom foram contemplados com carrões luxuosos, tais como Mercedes Bens, Lamborghini e Ferrari, outros receberão relógios luxuosos “Rolex”, estes avaliados em mais de 15 mil reais cada. Ainda foram premiados líderes classificados na classe Rubi e esmeralda, estes foram contemplados com Pins (ouro) e canetas Montblanc (folheadas em ouro), avaliadas em mais de 2 mil cada. O mega evento contou com a participação de outros famosos da TV, foi o caso da apresentadora Eliana Lima (Record), como também jogadores do Corinthians, além de camarotes com vários canais de TV dando total cobertura ao evento, na oportunidade foi lançado o VT Oficial da Bbom que será exibido na Rede Globo e Rede Record ainda neste mês de maio. Ao fim do espetáculo musical, apresentado e tocado por uma banda super-fina da cidade de Campinas-SP, apresentadores de TV e todos os famosos presentes no evento desceram para o térreo do Clube HSBC e se divertiram como pessoas normais, diante disso, todos os líderes da Bbom tiveram a oportunidade de chegar próximo de seus ídolos e ainda tirar fotos para arquivos pessoais. Ainda em relação ao evento daquela noite (23), o diretor geral da Bbom, Senhor João Francisco, disse no palco que aquele evento era apenas o começo de uma série que está por vir, inclusive ressaltou que todos os estados brasileiros receberão datas para comemorarem esse mesmo evento, também foi dito pelo Senhor Presidente Bbom, que nos dias 22 e 23 de junho de 2013 haverá uma reunião administrativa (interesses da empresa) com todos os líderes regionais, aonde Caicó nos representará nas pessoas de Railson Lucena, Jair Sampaio e Márcio Richelle. ESTE BLOGUEIRO JÁ ADERIU E ESTÁ ABAIXO DE  MÁRCIO RICLHELE NA REDE QUE NÃO PARA DE CRESCER! Ana Hickmann participou do evento e disse que os caicoenses entrem na rede de Robson Pires (rs)
ana BBOM
Ana Hickmann
Brincadeiras a parte, mas para se cadastrar em minha rede, saber detalhes ou tirar qualquer dúvida, basta ligar para 041 84 9962 2275. Ou clicando no link https://www.bbom.com.br/robsonxerife.

BBOM

BBOM: Negócio com solidez e confiabilidade

BBOM 2 A BBOM é a única franqueadora no Brasil que constituiu uma franquia que trabalha 24 horas alavancando o seu negócio. Melhor ainda, você tem controle e poder de conferência sobre sua movimentação regularmente e sem sair de seu ambiente. A BBOM é formada por um grupo de empresas, e conta hoje com mais de 2.000 franqueados homologados, com o objetivo de oferecer um serviço de rastreamento em sistema de comodato. Este serviço pode ser contratado por empresas ou pessoas que tem como interesse o rastreamento de diversos tipos de produtos, tais como: carros, motos, caminhões, barcos e cargas. A forma de contratação deste serviço é por meio de pagamento de mensalidade referente ao serviço. Seja um investidor BBOM e tenha seu retorno garantido através dos ganhos positivos e faça parte do crescimento desta empresa que já nasceu grande. Cadastre-se agora clicando no link: https://www.bbom.com.br/robsonxerife.

BBOM

BBOM fechou parceria com gigantes das telecomunicações

bbom BBOM nasceu para inovar o Marketing de multinível e hoje ela conta com grandes parcerias como Tim, UNIPEXMIL, Vivo, Claro, Skywave, System Sat e muito mais. A BBOM surgiu no cenário de rastreadores, pela grande carência no mercado de rastreamento que tem uma demanda de 1.500.000 aparelhos de rastreadores em média por mês no Brasil. Sua parceira UNIPEXMIL, além de ser seu fornecedor principal para os equipamentos, monitoramento 24h e assistência técnica com franquias em todo território nacional, ela é a maior empresa de rastreamento veicular do país e de acordo com a ABF (Associação Brasileira Franchising), a UNIPEXMIL é a 23ª maior franqueadora do Brasil. Seja um investidor BBOM e tenha seu retorno garantido através dos ganhos positivos e faça parte do crescimento desta empresa que já nasceu grande. Cadastre-se agora clicando no link: https://www.bbom.com.br/robsonxerife. Ao invés de você ficar utilizando seus recursos em aplicações duvidosas e até mesmo suspeitas… seja um investidos da BBOM. Uma empresa segura.

BBOM