Rainhas de bateria negras são maioria

IMG_6578

Pinah, a Cinderela Negra. Ou Marisa Marcelino de Almeida, a Nega Pelé. Não há dúvidas de que as escolas de samba sempre tiveram ícones que representaram a beleza e a ancestralidade da mulher negra no carnaval. Mas como rainhas de bateria, com toda a majestade do posto, elas foram minoria por muitos anos. Foram. Porque, agora, o jogo virou.

Das 12 escolas postulantes ao título do Grupo Especial, sete têm negras como soberanas absolutas. Famosas ou oriundas da comunidade, elas consolidam um processo que vem mudando padrões nos últimos anos, com o sucesso do reinado de Raíssa de Oliveira, na Beija-Flor, ou de Evelyn Bastos, na Mangueira. E se juntam a uma dinastia na qual já figuraram a pioneira Adele Fátima, na Mocidade, Soninha Capeta, na azul e branco de Nilópolis, Tânia Bisteka, na verde e rosa, ou Patrícia Costa, na Viradouro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

março 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
Categorias