Profecias que se autorrealizam. Leia. Bom artigo

O mundo não acabou. Felizmente!!! Mas as conversas que ouvi, nesses últimos dias em que estivemos às vésperas do seu fim, comprovam que o milenarismo – a crença segunda a qual o tempo caminha linearmente para o fim – está presente em muitos corações e mentes em pleno século XXI, mostrando que essa forma de pensar não é contraditória com o avanço da ciência e com a modernidade.

Como esta sexta-feira, 21 de dezembro, data em que o calendário maia chega ao fim, continuamos nossas vidas terrestre,  os milenaristas lançaram suas segundas lanças. Uma das explicações para a falha na profecia é a de  que o tal calendário maia não diz que o mundo vai acabar, mas que um ciclo terminou e outro será iniciado.

Mas há profecias que se cumprem por si mesmas, como disse magistralmente o grande sociólogo Robert Merton. Profecias, em princípio, não se cumprem, mas as representações sociais, como prognósticos, digamos assim, se autorrealizam, porque o que é socialmente concebido se torna uma realidade. Robert Merton usou a metáfora da corrida aos bancos. Quando se difunde um boato de que um banco está falindo, os correntistas correm para retirar seus depósitos e a instituição acaba falindo. Cada sociedade inventa ou constrói suas próprias representações. As sociedades complexas convivem com profecias contraditórias e opostas e é difícil, por isso mesmo, conviver e aceitar democraticamente o contraditório.

Assim é que nesse dia em que a profecia milenarista não se cumpriu, estou pensando naquelas que se cumprem por si mesmas.

Eu acreditava, e muitos como eu também acreditavam, que o Brasil fosse um país com forte “ideal” democrático e, portanto, reprimisse o racismo, por ser um sentimento antidemocrático e criminoso. Recente pesquisa sobre o racismo e o preconceito entre crianças de sete anos em escolas confirmou essa representação. Embora as crianças saibam o que é preconceito e racismo e até expressem-nos em xingamentos e depreciações sobre seus coleguinhas de cor escura, consideram esses sentimentos ruins por dois motivos: todos somos iguais porque temos braços, pernas, nariz e boca, ou seja, somos biologicamente iguais, e todos somos filhos de Deus, explicação religiosa para a igualdade entre os seres humanos. Nosso ideal de democracia racial se concretiza, em parte, pois as crianças têm vergonha de demonstrar o seu racismo, reprimindo-o, como se deve fazer com os sentimentos moralmente condenados.

Mas nem todos pensam assim. Muitos veem no racismo brasileiro, envergonhado e reprimido, um sentimento pior do que o do racismo expresso, direto, sem qualquer barreira, segregacionista e legal. Por isso, instituíram leis que visam reforçar a ideia de “raça” para combater o racismo e convenceram os poderes públicos de que esse era o caminho para uma sociedade mais democrática. E, como uma profecia que se cumpre por si mesma,  a ênfase na ideia de “raça” fará com que ela exista e se perpetue.

Este ano, o Supremo Tribunal Federal considerou constitucional por unanimidade, as cotas raciais e com isso, instituiu em nossa história, um Estado de leis raciais. Como um rastilho de pólvora, as cotas raciais, embora consideradas pela maioria da população um recurso falho – porque todos somos iguais ou deveríamos ser iguais – acabaram sendo aplicadas em muitas esferas de nossa vida social, sobretudo para o acesso ao ensino superior e nos concursos públicos. Em breve, os cidadãos brasileiros terão seus direitos integralmente distribuídos segundo sua “raça” – preto, pardo, branco, indígena.

Como os fatos sociais são coisas e representações, e as representações são profecias que se cumprem por si mesmas, o ideal democrático – digo ideal, desiderato, vontade e não realidade – o sentimento de que todos somos iguais, ou deveríamos ser, tinha alguma chance de se tornar, no futuro, plena realidade. A nova profecia, no entanto, substitui esse “ideal” de igualdade pelo desejo de marcar a diferença – pretos, pardos e indígenas são diferentes de brancos e devem ser tratados desigualmente para que a “verdadeira” igualdade se instaure. A velha profecia enfatizava a criminalização do racismo e lutava contra os racistas. A nova profecia diz que o racismo é institucional e não individual e por isso aposta nas leis raciais e na entronização da “raça” no imaginário social.

Se as representações são profecias que se cumprem, em breve o Brasil do ideal democrático e igualitário da profecia antiga será substituído pelo Brasil do ideal da diferença. O novo ideal reforça a ideia de que somos diferentes na essência, de acordo com a cor da nossa pele ou “raça” – brancos, pretos, pardos e indígenas.

Pena! Embora o mundo não tenha acabado hoje, aquele Brasil sonhado no imaginário social brasileiro ao longo do século XX está com os dias contados porque outra profecia se cumprirá por si mesma. Somos agora, legalmente, um  povo dividido em segmentos diversos e não mais um povo único. Essa mudança sabemos que pode ter desfecho perigoso, porque quando o Estado divide os cidadãos por “raça” ela vira uma realidade inelutável.

Por Yvonne Maggi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Categorias