PF deflagra nova fase da Lava Jato e bloqueia R$ 5,2 milhões de suspeito

PF cumpre mandados contra supostos fraudadores da previdencia em MT 600x400 1 PF deflagra nova fase da Lava Jato e bloqueia R$ 5,2 milhões de suspeito

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (11), a Operação Pseudeia, na 80ª fase da Operação Lava Jato. Cerca de 15 policiais federais cumprem cinco mandados de busca e apreensão no estado de São Paulo, sendo três na capital e dois em Pindamonhangaba. Serão bloqueados e sequestrados valores até o limite dos prejuízos identificados, até o momento, apurados em R$ 5.261.100.

A investigação é fruto do desdobramento das apurações iniciadas pela Operação Acarajé (23ª fase ostensiva), na qual se comprovou, entre diversos fatos criminosos, que um representante de estaleiro estrangeiro, além de ter efetuado pagamentos ilícitos no exterior para agentes públicos e marqueteiros políticos, fez transferências a outros indivíduos até então não identificados.

Um desses suspeitos, alvo das medidas cumpridas nesta quinta, celebrou contrato de consultoria ideologicamente falso com o representante de estaleiro estrangeiro, utilizando-se, para tanto, de empresa offshore constituída em paraíso fiscal e de conta no exterior em seu nome. Com isso, foram efetuados, em 2013, pagamentos na ordem de US$ 1 milhão para indivíduo até então não qualificado.

Posteriormente, o representante de estaleiro estrangeiro veio a colaborar com as investigações, celebrando acordo com o Ministério Público Federal (MPF), que permitiu a identificação do indivíduo beneficiário dos valores. Segundo o colaborador, os pagamentos foram feitos a partir de solicitação de vantagem feita pelo tesoureiro do partido político que formava o então governo federal.

Com base em tais informações, a Polícia Federal procedeu à reanálise de materiais apreendidos anteriormente com o colaborador da Justiça, uma vez que havia sido alvo também da Operação My Way (9ª fase ostensiva), tendo-se, então, confirmada a existência de mensagens que comprovavam o relacionamento entre o investigado e o colaborador. Os vínculos entre os dois e deles com o tesoureiro do partido político também foram reforçados com dados de ligações telefônicas obtidas anteriormente com base em decisão judicial.

Identificou-se também no material apreendido, que teriam ainda ocorrido tratativas em 2014 para pagamento de mais de US$ 600 mil ao investigado, valores que não teriam sido transferidos apenas por ocasião do receio gerado pela deflagração da Operação Lava Jato.

Na sequência, houve, por parte das autoridades suíças, o encaminhamento de informações espontâneas que permitiram identificar que a conta no exterior pela qual o investigado havia recebido US$ 1 milhão era controlada formalmente por ele.

Diligências posteriores confirmaram que o investigado tinha outra conta no exterior e que, nos anos de 2014 e 2015, mesmo após a Lava Jato ter sido deflagrada, efetuou diversas transferências bancárias fora do país para, por meio de operações de dólar-cabo, encerrar as contas e internar irregularmente os valores recebidos à margem da lei.

Metrópoles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

fevereiro 2021
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28  
Categorias

Me dá um dinheiro aí

Ilimar Franco, O Globo – Políticos experientes afirmam que os gastos estratosféricos previstos pelos candidatos ao Planalto não passam de ficção. As empresas estão segurando

Leia Mais

Rompimento de Fábio?

O que se escuta dizer nos meios políticos: Que o vice-governador do Rio Grande do Norte Fábio Dantas acompanhará a mesma posição de do deputado

Leia Mais