O poder da pistolagem

Matéria do Novo Jornal mostra que o cargo de prefeito em cidades do interior do Rio Grande do Norte tem se configurado como posto de risco. A análise parte do levantamento de ataques contra chefe ou ex-chefes de Executivos municipais, que se concentram prioritariamente na região Oeste do estado.

Brigas entre famílias que disputam o poder, pistolagem, vingança, disputas passionais e erros da polícia formam a lista de causa de ataques contra prefeitos registrados nos últimos vinte anos. Confira lista do Novo Jornal:

Fevereiro de 1993: o ex-prefeito de Caraúbas, Zimar Fernandes, foi assassinado a tiros por um menor em razão de rixa entre famílias rivais.

Outubro de 1998: o prefeito de Água Nova, Irosvaldo Ferreira de Carvalho, foi assassinado a tiros pelo ex-prefeito daquele município, José Aluizio.

Novembro de 2001: o ex-prefeito de Caraúbas, Aguinaldo Pereira da Silva, sua esposa e dois policiais foram assassinados em emboscada armada por integrantes da quadrilha de Valdetário Carneiro.

Maio de 2002: o ex-prefeito de Lucrécia, Zenilson Candido da Fonseca, foi executado por uma suposta vingança. Na época ele ocupava o cargo de secretário municipal de Urbanismo.

Junho de 2005: o prefeito de Grossos, João Dehon, foi assassinado por equipes da Polícia Civil que investigavam quadrilhas de roubos de veículos.

Março de 2010: o ex-prefeito de Campo Grande, Antonio Veras, foi executado com diversos disparos de arma de fogo que também mataram dois policia que faziam a sua segurança.

Novembro de 2012: o ex-prefeito de Marcelino Vieira, José de Arimatéia Fernandes (foto), foi assassinado na zona rural da cidade. A suspeita inicial é de que o caso tenha sido um latrocínio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Categorias