11/fev/2019

Antes de morrer, Boechat comentou no rádio sobre tragédias


Por Robson Pires, em

Morto na queda de um helicóptero que o transportava no início da tarde desta segunda-feira (11) em São Paulo, o jornalista Ricardo Boechat, discutiu no programa da Rádio Bandeirantes, horas antes, sobre a sucessão de tragédias que estão ocorrendo no Brasil neste início de ano. Sem saber, a tragédia seguinte de grande repercussão, seria a de sua trágica morte, junto ao piloto do helicóptero.

No rádio, Boechat, comentou sobre o recente rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Vale em Brumadinhos/MG, que já contabiliza mais de 165 mortos e 160 desaparecidos e o comparou à tragédia em Mariana/MG que ocorreu há pouco mais de três anos, sendo considerado o maior desastre ambiental do país quando uma barragem da mineradora Samarco se rompeu e derramou mais de 40 milhões de metros cúbicos de lama de minério em um vale, na área rural do município, matando 19 pessoas e causando devastação ambiental no rio Doce e região.

“A impunidade é o que rege e comanda a orquestra das tragédias nacionais”, comentou o jornalista que leu reportagem do jornal O Globo sobre as maiores tragédias dos do país desde 2007. “As consequências não deram em nada quando vemos os desdobramentos do Estado, quer pela omissão, cumplicidade ou burocracia. Nem os agentes públicos e nem os privados pagaram por isso. É o que precisamos ver no caso do ‘Ninho do Urubu’”, disse referindo-se ao incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo, no Rio de Janeiro, ocorrido na semana passada que matou 10 adolescentes do time de base do clube.

Ele comentou o caso, destacando que ficou evidente que se tratava de um lugar impróprio. “O que precisamos colocar sobre a mesa enquanto sociedade é se queremos continuar lidando com essas tragédias, pranteando-as no início e esquecendo-as logo depois. Vejam que Brumadinho já sumiu das primeiras páginas. É preciso que as consequências sejam mais rápidas no campo da ação policial, no campo do Ministério Público, para que  não fique no oba-oba e depois, apoiado pelo esquecimento e nossa velha tradição de deixar pra lá e tocar adiante, não produzir manchetes como esta toda semana que negligência e impunidade marcam tragédias no país”, comentou Boechat.


Nenhum Comentário Até o Momento, Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe o seu comentário!


Twitter Facebook Instagram E-mail

  • 00
  • :
  • 00
  • :
  • 00

Segunda, 18 de Fevereiro de 2019


Buscar no Blog



Fan Page. Curta!





Calendário

fevereiro 2019
D S T Q Q S S
« jan    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728