11/nov/2014

Algodão volta ao mapa da Paraíba em versão orgânica


Por Robson Pires, em

2De algum modo, lá pelos idos do Século 18, o cultivo do algodão foi se infiltrando Paraíba adentro, do agreste para o sertão, contornando secas, driblando chuvas irregulares, até se estabelecer como um dos principais produtos do estado, ao lado da cana-de-açúcar plantada no litoral. Dos anos 1700 e até os recentes 1980, a excelência do algodão nordestino manteve suas amarras em terras paraibanas. Seja devido ao tipo de solo, em razão do clima árduo, talvez por pura sorte ou teimosia, o fato é que as fibras longas do algodão paraibano ganharam fama e permaneceram entre as melhores do mundo por muitos anos

O algodão colorido, de fibras marrons, foi melhorado e multiplicado pela Embrapa e ganhou diversos matizes, entre o rosado e o esverdeado, sempre em tons pastel, suaves. Para as tecelagens, isso significou eliminar o tingimento químico e seus poluentes, descartados em cursos d’água. Para os agricultores, a alternativa deu novo impulso à cultura do algodão. Mas ainda era preciso dar conta do bicudo, pois a praga não tem preconceito de cor e ataca igualmente qualquer tipo de algodão.


Nenhum Comentário Até o Momento, Seja o Primeiro a Comentar!

Deixe o seu comentário!

Twitter Facebook Instagram E-mail

  • 00
  • :
  • 00
  • :
  • 00
Segunda, 18 de Novembro de 2019


Buscar no Blog



Fan Page. Curta!





Calendário

novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930