MPF é contra suspender posse de deputados acusados de incitar atos em 8 de janeiro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou, neste sábado (28), contra a suspensão da posse de 11 deputados federais que teriam, em suas redes sociais, supostamente incitado a invasão de manifestantes bolsonaristas às sedes da República em 8 de janeiro.

O parecer, anexado no inquérito aberto sobre o caso que tem como relator o ministro do STF Alexandre de Moraes, é assinado pelo subprocurador Carlos Frederico Santos. Nele, o membro do Ministério Público Federal argumenta que, desde a expedição do diploma de deputado (que ocorreu no ano passado), os envolvidos já estão dotados de suas prerrogativas.

Por isso, de acordo com o subprocurador, o caso seria assunto “interna corporis”, devendo ser analisada pelo Conselho de Ética da Câmara.

“Inexistindo, até o presente momento, elementos que indiquem que os Deputados apontados na petição tenham concorrido, ainda que por incitação, para os crimes executados no dia 08 de janeiro de 2023″, conclui o procurador, “não há justa causa para a instauração de inquérito ou para a inclusão, a princípio, dos Parlamentares nos procedimentos investigatórios já instaurados para apurar a autoria dos atos atentatórios ao Estado Democrático de Direito.”

O caso envolve os deputados reeleitos Dr. Luiz Ovando (PP-MS) e Carlos Jordy (PL-RJ), além dos deputados federais eleitos Marcos Pollon (PL-MS), Rodolfo Nogueira (PL-MS), Rafael Tavares (PRTB-MS), Silvia Waiãpi (PL-AP), André Fernandes (PL-CE), Sargento Rodrigues PL-MG), Nikolas Ferreira (PL-MG), João Henrique Caran (PL-MS) e Walber Virgolino (PL-PB).

Leia aqui a íntegra da manifestação.

O Antagonista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
Categorias