Barragem de Oiticicas, no Seridó, tem custo avaliado em R$ 180 milhões de reais

Festejada como uma grande conquista pelo governo do estado, a garantia dada esta semana por Geddel Vieira (Integração Nacional) de que o governo federal concluirá as obras da Barragem de Oiticica, localizada entre os municípios seridoenses de São Fernando e Jucurutu, pode não representar uma grande mudança para a população que sofre com as enchentes anuais do rio Piranhas-Açu.

De acordo com o professor de hidrologia da UFRN, João Abner, o volume da barragem, de 600 milhões de m ³, e o tipo dela, de acumulação, são insuficientes para conter o volume das águas que costuma fazer o rio transbordar nesta época do ano.

“Várias combinações podem ser feitas, mas em qualquer alternativa que você pense, pede uma (barragem de) Oiticica com mais de 600 milhões de m³”, avaliou o professor, acrescentando que calcular a reserva de espera ideal é uma tarefa complexa e que uma boa saída seria associar à nova barragem a construção de comportas maiores na Armando Ribeiro.

Ainda de acordo com João Abner, outra questão importante é que a construção da barragem pode ocasionar enchentes “para cima” e afetar, principalmente, as cidades de Jardim de Piranhas e São Rafael.

Existem basicamente dois tipos de barragem: a de regularização, que retém água para usá-la no período das secas, e a de contenção, projetada com base nas cheias, e que por isso deve ficar a maior parte do ano vazia.

Segundo a assessoria da Secretaria de Recursos Hídricos, Oiticica será construída com objetivo de abastecer de água a região do Seridó, e só servirá minimamente como contenção. Ainda de acordo com a assessoria, o projeto já está pronto para ser encaminhado ao Ministério da Integração Nacional e na quarta-feira (13) terá início a mobilização das comunidades para o planejamento da desapropriação da área.

“A barragem pode até melhorar o problema. Agora, o povo de Assu tem que aprender a conviver com as enchentes”, afirmou o professor, que já foi responsável pelo projeto numa das muitas idas e vindas que vem sofrendo há mais de 18 anos.

História antiga

A história da barragem começou ainda na década de 90, quando foi projetada para ter 1,6 bilhão de m ³ e irrigar cerca de 15 mil hectares na região. De lá pra cá, foi embargada diversas vezes, a maioria por superfaturamento envolvendo a empresa Norberto Odebrecht, que ganhou a primeira licitação.

O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o Rio Grande do Norte só continuaria a receber o dinheiro do governo federal caso cancelasse o contrato com a empresa, mas a articulação política da governadora Wilma de Faria (PSB) e da bancada federal fez com que, a partir de 2004, emendas coletivas para a Oiticica continuassem a ser aprovadas e o dinheiro, empenhado.

Em 2007, o contrato com a Odebrecht foi finalmente rompido e o governo do estado deu início a um novo trâmite burocrático. Integrado ao mapa de transposição do rio São Francisco, o projeto da barragem também mudou: passou a ter um volume de 600 milhões de m ³, capacidade de irrigação de 2.650 mil hectares e possibilidade de geração de energia elétrica. A previsão é que a obra custe R$ 180 milhões e seja entregue em 2011.

Fonte: Nominuto.com

5 respostas

  1. Carro Robson, só para complementar a matéria, a história da Barragem de Oitiçica, os nossos Gonvernantes vêm protelando desde 1952, temos uma propriedade que se inicia no meio do leito do Rio Piranhas e se prolonga por 2500 braças de extensão, meu pai que é Olimpio também completa esse ano 88 anos e essa conversa já tem meio século da construção desta Barragem.

  2. Home … ainda me lembro quando minha vó falava que a bisavó da minha vó também falava pra ela que a barragem de oiticica tinha começado as obras e parado no meio do caminho … pra completar … tem há história que já teria sido liberado o dinheiro várias vezes pra essa obra e só Deus sabe onde foi para o bufufa depois que as obras por muitas vezes ficaram no meio do caminho.

  3. -ANO QUE VEM É ANO DE ELEIÇÃO,E JA QUEREM COMEÇAR A BARRAGEM O MAIS RÁPIDO POSSIVEL.ENTÃO VAMOS DIVIDIR MELHOR ESSE DINHEIRO.100 MILHÕES PARA A BARRAGEM E DESVIAMOS SÓ 80 MILHÕES PARA AS CAMPANHAS ELEITORAIS.

  4. Fazendo aqui rapidamente os meus cálculos matemáticos, a distribuição desse montante de dinheiro ficou assim:
    180.000.000, dividido pela empreiteira, que divide com os políticos, que dividem com quem cala a boca = 100 milhões é o custo da obra; 20 milhões é o valor do faturamento para empreiteira; 20 milhões é o por fora da empreiteira; 40 milhões é distribuído entre os governantes e os cabeças da licitação. Pra mim e pra você vão sobrar impostos a pagar! Nada mais que justo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  
Categorias