As bandas fantasmas no governo de Wilma

O ex-presidente da FJA (Fundação José Augusto) François Silvestre, em seu livro “As alças do Algave”, que fala em determinado momento sobre o desvio de verbas para pagar bandas “fantasmas”, que ficou conhecido como foliaduto, diz que a governadora Wilma de Faria “não teve escrúpulos em simular uma surpresa sobre o caráter dos seus auxiliares e cobrar culpabilidade de uma instituição”, no caso a FJA. François reconhece que seus funcionários foram acólitos, mas que a chefia da engrenagem pelo desvio do dinheiro público estava noutro lugar, “na soleira do governo”.

Do blogue do Barbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

junho 2021
D S T Q Q S S
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Categorias

Onde anda a sinceridade?

Virou moeda corrente nos nossos dias a ideia de que não vale a pena ser sincero, que sinceridade é falta de educação, que nunca, nem

Leia Mais