Amazônia-1: primeiro satélite 100% brasileiro vai para o espaço neste domingo

AERY 1 Amazônia-1: primeiro satélite 100% brasileiro vai para o espaço neste domingo

Quando o brasileiro acordar neste domingo (28), poderá olhar para o céu e se orgulhar . Mesmo sem conseguir ver, é lá que estará o primeiro satélite fabricado no país: o “ Amazônia-1 ”. O lançamento está marcado para a madrugada – 01h54 (horário de Brasília) – direto da Agência Espacial em Sriharikota, na Índia.

O “Amazônia-1” é um marco. E o nome não é por acaso. Trata-se do primeiro satélite de mapeamento projetado e construído no Brasil . O lançamento é parte da Missão Amazônia que, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) vai monitorar áreas desmatadas, agrícolas, além de desastres ambientais.

A Agência Espacial Brasileira já participou de outros lançamentos anteriores, mas sempre em parceria com outros países. Nos últimos anos, a China foi o maior parceiro brasileiro na sua expansão espacial. É o que explica Lucas Fonseca, engenheiro aeroespacial formado na Universidade de Supaero, na França : “É a chamada família CBERS – programa de cooperação técnológica Sino-Brasileiro. E, atualmente, temos dois deles voando, por isso o Amazônia-1 é um satélite complementar aos que já estão no espaço”.

Na contramão dos avanços mundiais, a estrutura do Amazônia-1 tem um peso de 700 kg . O suficiente para ser considerado um projeto de ‘ médio porte ’. Satélites mais avançados hoje, como o Dove , da empresa Planet, oferecem mais por menos. O objeto cabe na mão, pesa apenas quatro quilos e possui uma captação de imagem de quatro a cinco metros de resolução . Uma área menor e que, portanto, permite uma imagem mais nítida em comparação aos 60 metros do projeto brasileiro. Sua taxa de revisitação é de cinco dias. Ou seja, a cada 72 horas o satélite fotografa todos os pontos do planeta Terra .

Uma vez no espaço, sua função é produzir a captação de imagens que auxiliem na inteligência e no combate ao desmatamento . Além disso, o Amazônia-1 tem como ‘missão secundária’ a obtenção de imagens da costa brasileira – para a área de segurança – e do setor agrícola brasileiro. “O satélite consegue enxergar faixas na frequência de luz e as câmeras do Amazônia-1 enxergam 4 faixas diferentes. Ou seja, cada uma destas faixas te possibilitam uma melhor análise de um estudo específico. Se preciso investigar um vetor de infestação de pestes no campo, existe uma faixa de luz que é mais adequada para realizar este estudo .”

IG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

abril 2021
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
Categorias

Sem financiamento público

Está sendo iniciada campanha para abolir o financiamento público. Ou estão certos os que defendem essa tese ou somente serão eleitos os candidatos que pertencem

Leia Mais